Browse By

Taboquinhas representada em Brasília; projeto das emancipações foi aprovado pela comissão especial

Por Albert Queiroz

Brasília recepcionou nesta terça-feira, dia 27,  caravanas de todo Brasil, com representantes de centenas de distritos que almejam a emancipação política e administrativa. O evento reuniu aproximadamente 2 mil pessoas. A Bahia foi representada por alguns distritos, sendo eles: Taboquinhas, Itamaraty, Abrantes, Pilar, Algodões, Espanta Gado, Onça Queimada, Pedras Altas, Stela Camara Dubois, Acupe, Vila do Café, Salobro, Junco, Caldas do Jorro, Salgadalha, Ibitira e Santana do Sobrado, sendo uma das caravanas que mais se destacou.

Integrantes da AMETA – Associação do Movimento Emancipalista de Taboquinhas, estiveram presentes em Brasília, onde se reuniram com líderes emancipalistas de todo Brasil e deputados. Na oportunidade os conterrâneos participaram de uma audiência no Palácio do Planalto, com o Ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun. Sete vereadores do município também acompanharam os emancipalistas, registrando o apoio do legislativo municipal. (A AMETA contou com apoio de toda comunidade e comerciantes, Câmara Municipal e Prefeitura de Itacaré).

Homem de garra, Augusto César (Presidente Nacional do Movimento Emancipa Brasil) mais uma vez mobilizou todo o país. Pela manhã, emancipalistas caminharam da Catedral até o Congresso Nacional, onde se reuniram com deputados no auditório Nereu Ramos. A tarde, representantes do Emancipa Brasil se reuniram com o Presidente da Câmara, Deputado Rodrigo Maia, que disse ser favorável a criação de novos municípios, mas que antes de colocar a votação em plenário, faria uma análise do projeto, mas adiantou e anunciou a votação para o dia 15 de maio. Em seguida as lideranças se dirigiram novamente para o Nereu Ramos, onde foi votado e aprovado por unanimidade em comissão especial, o PLP 137/2015.

Com a aprovação unanime do projeto, o Hino Nacional foi cantado em alto e bom som por todos que estavam no auditório.

No final da tarde, mais de cem líderes se reuniram no Palácio do Planalto, com o Ministro Chefe da Casa Civil, Carlos Marun, que disse que fará a articulação política juntamente com o Presidente Michel Temer, para que o projeto seja sancionado.

“Mobilizarei o Brasil, e no dia 15 de maio pretendemos trazer para o Congresso aproximadamente 20 mil pessoas, representantes de seus distritos, para acompanhar a sessão”, declarou Augusto César.

O relator do projeto, Deputado Carlos Henrique Gaguim, disse que o projeto não gerará custos a união, pelo contrário, afirmou que as verbas serão apenas redistribuídas. O deputado disse ainda, que irá sugerir o plebiscito juntamente com as eleições de 2018, para que as novas cidades tenham eleições próprias, se possível em 2020.

Para José Crecêncio da Cruz, membro da Associação do Movimento Emancipalista de Jaguarari/Pilar, e líder baiano, o acontecimento desta terça-feira foi uma grande vitória, onde o projeto foi aprovado em comissão. “Infelizmente não houve a votação em plenário, mas já temos data marcada. E a partir deste instante, devemos nos organizar para voltarmos aqui”, declarou.

Para Fernando D’Emi­dio, Presidente da FADDEB – Federação das Associações de Desenvolvimento Distrital e Emancipalistas da Bahia, criar municípios é a melhor forma de distribuição de renda que existe. E citou a França como um dos países mais desenvolvido do mundo, o qual tem mais de 36 mil municípios, enquanto nosso país tem somente, 5.570. Acrescentou que os estados do sul e sudeste são mais desenvolvidos, e sua população tem melhor qualidade de vida, pelo fato do recurso público ser distribuído em mais municípios, apesar de terem menor área territorial.

Qual a importância da criação de novos municípios?

A criação de novos municípios traz para os cidadãos brasileiros o direito de ter próximo de si, os gestores municipais. Onde cada distrito que se tornará cidade terá a oportunidade de ter uma qualidade de vida melhor, através da saúde, educação, segurança e infraestrutura de qualidade. Novos municípios geram mais custos? Não! Apenas, a fatia do mesmo bolo será redistribuída, fazendo com que o desenvolvimento chegue nos quatro cantos de todos os municípios.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *