Browse By

Devotos de Taboquinhas vão em romaria louvar o Padroeiro de Bom Jesus da Lapa

Católicos de Taboquinhas que são devotos de Bom Jesus embarcaram no dia 31 de julho rumo a cidade de Bom Jesus da Lapa, no oeste da Bahia, onde chegaram na tarde do dia 01 de agosto. Os fieis permaneceram na cidade do dia 01 ao dia 06, quando é comemorado o padroeiro com missas e caminhada de fé.

A tradição da romaria saindo de Taboquinhas para o oeste do estado, acontece há muitos anos com a história do antigo fazendeiro já falecido, Juvenal Figueiredo Sampaio, que segundo relatos, “Bom Jesus” passou a ser padroeiro de Taboquinhas após uma história de fé. Por volta do início do século XX, quando uma doença o atingiu, Juvenal e um grupo de amigos bem próximos foram à pé até a cidade de Bom Jesus da Lapa, para pagar uma promessa, de onde trouxeram uma imagem da representação do sofrimento de Jesus pela humanidade.

Daí então Bom Jesus passou a ser o padroeiro de Taboquinhas, onde a comunidade escolheu uma data, para assim, quando os romeiros chegassem da Lapa fosse comemorado o padroeiro de Taboquinhas. E assim a tradição permanece viva, com festejos todos os anos, contando com nove dias de preparação até chegar ao dia do padroeiro.

A VIAGEM

São 625 quilometros de estrada, passando por diversas cidades e com algumas paradas, tendo a duração de aproximadamente 14 horas de viagem. Logo percebe-se, pela vegetação, que já saímos da região sul para o oeste, com a paisagem do sertão e o clima típico do semiárido, o verdadeiro calor. No decorrer da viagem passamos por outras romarias de nossa cidade, de cidades vizinhas e até mesmo de outros estados. Chegando em Bom Jesus da Lapa, logo vemos no semblante dos católicos a alegria de estar na cidade que se torna a capital baiana dos católicos, onde milhares vem fazer agradecimentos, cumprir promessas e fazer os pedidos.

A Esplanada é tomada todos os dias, desde as 4h30 da madrugada até o fim da tarde com celebrações. E as grutas são os encantos da Lapa, com obras feitas com certeza pelas mãos de Deus. Não poderia deixar de citar a subida ao Morro do Cruzeiro, onde fieis passam por cavernas e pedreiras imensas, mais uma obra de Deus. E lá em cima o principal é orar e em seguida bater na pedra, que corresponde ao som de um sino, mas nem todos tem coragem, pois a tradição diz que se o som não for emitido a pessoa não volta a cidade.

Outro atrativo da cidade é o passeio de charrete até o Rio São Francisco, onde as pessoas tentam se refrescar e fazem passeios de barcos. O mercado municipal é outra opção para conhecer as comidas típicas da região. E para quem gosta também tem a feira livre onde se acha um pouco de tudo.

E sabe qual é o pedido mais feito ao Bom Jesus, e esse sem segredo? O de voltar no próximo ano, porque todos que vão uma vez querem voltar sempre que puder.

Matéria/Fotografias – Albert Queiroz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *